Arquivo da categoria: bike

post dos pequenos desejos

Há cerca de um ano e meio comprei um caderno para fazer desenhos e a primeira coisa que fiz foi escrever alguns desejos nas suas duas primeiras páginas.

A chamei de…

Minha lista de desejos para a vida que continua a partir de hoje

Levar mais amigos em casa

Iniciar o pagamento de uma previdência privada

Ser menos encanada, pensar menos (humm, estranho esse pedido…)

Yoga 3 vezes por semana

Cultivar minhas rugas de sorriso

Me preparar para uma pequena viagem de bicicleta

Fazer uma pequena viagem de bicicleta

Desenhar todos os dias

Viajar… pelo Brasil e pelo mundo

Ter uma casa com um pequeno jardim com temperos, flores, frutas e folhas bem verdinhas

Ter menos vergonha de fazer as coisas que tenho vontade de fazer

………

Ao retomar, hoje, essa listinha com desejos tão simples, tão meus, fiquei muito feliz. Alguns deles já consegui iniciar e outros já realizei. Então, decidi acrescentar mais alguns:

Ir ao cinema uma vez na semana

Passar mais tempo com a minha pequena grande família

Me permitir tomar café da tarde ou ter um bom jantar demorado com pessoas queridas (sem culpa sobre o horário)

Fotografar pessoas no seu dia a dia

Desenvolver um trabalho com arte que seja útil para mim e para a sociedade

Ser mais engajada com o que acredito, mesmo que pareça confuso de início

Voltar a estudar

Fazer da leitura um hábito

Aprender outro idioma

Dizer mais eu te amo

Agradecer todos os dias a grande oportunidade que tenho por estar aqui

………

Nesse momento, estou em viagem – em Barcelona, Espanha – para aprender algumas coisas: castellano, ter menos vergonha de fazer o que gosto, desenhar mais e encanar menos.

Diria que estou indo bem e cultivando aos montes minhas rugas de sorriso.

Etiquetado

desrespeito… quando vai parar?

Hoje, domingo, decidi ir de bike até o Museu da Casa Brasileira.

Logo de cara fiquei bem feliz com a quantidade de ciclistas nas ruas. Tudo bem, é domingo, mas tive a sensação de que cada vez mais tem mais gente tentando driblar o medo de pedalar numa cidade como São Paulo.

No entanto, na Av. Cidade Jardim com a Faria Lima tive minha primeira decepção. Decidi andar bem próxima a calçada por não me sentir segura em pedalar em uma avenida tão movimentada e eis que um motorista grita em minha direção: VAI CAIR! VAI CAIR! e passa gargalhando. Me pergunto: quão estúpido pode ser o ser humano?

Ok. Entrei no MCB, descansei, li meu livro e resolvi voltar pra casa. Outra decepção:

Descendo a Av. Sumaré há vários cruzamentos e entradas à direita para retornos. Em todo trajeto me mantive bem visível na faixa da direita sinalizando que seguiria em frente. Eis que outro motorista passa por mim e grita: VÁ ANDAR NA CICLOVIA! Pergunto a ele: QUAL CICLOVIA? ME MOSTRE. Ele e seu amigo apontam para o canteiro que divide a avenida. Me questiono novamente: quão estúpido pode ser o ser humano?

Ando quase todos os dias pela Av. Sumaré e juro, nunca vi um ciclista pedalando naquilo que chamam de “ciclovia” simplesmente porque é impossível pedalar nesse trajeto que leva nada a lugar nenhum, é repleto de buracos, é improvisado e que não possui manutenção há anos.

Vale lembrar que a BICICLETA é sim um MEIO DE TRANSPORTE, portanto, pode e deve ser utilizado nas ruas (não em calçadas). Além disso todo motorista deve, por lei, respeitar uma distância lateral de um metro e meio ao ultrapassar uma bicicleta.

Não sou cicloativista, não faço parte de nenhum movimento, mas acredito que o respeito é o primeiro passo para o compartilhamento saudável do espaço urbano.

Onde vamos parar?

………………………..

Para entender um pouco mais a situação da ciclo(qualquercoisa) da Av. Sumaré leia algumas das matérias abaixo:
http://aexecutiva.blogspot.com/2010/07/cicloqualquercoisavia-da-sumare.html
http://smiletic.com/2011/01/28/ciclovia-avenida-sumare/
http://vadebike.org/2008/11/ciclo-ias-nao-sao-a-solucao-milagrosa/
Etiquetado , ,

é tempo de mudança

Mudar às vezes é díficil. É preciso paciência e determinação. E essas são duas coisas que não tenho.

Mas de tanto bater a cabeça acho que agora é tempo de mudar. Mergulhar no mundinho de Pri, entender minhas qualidades e defeitos pra eu viver melhor comigo e com o mundo.

Queria, de verdade, parar o tempo e pedir pra descer. Entrar em um ano sabático, but não dá pra ter tudo nessa vida, né?

E de todo esse processo que vem por aí, uma coisa é certa: quero sorrir mais.

No livro Princesas Desconhecidas e Esquecidas (escrevi sobre ele no último post) tem uma frase que não sai da minha cabeça “Não sorrir é como deixar de regar as plantas“.

Não quero deixar meu jardim morrer. Então, bóra viver um dia de cada vez com paciência e determinação. E como diz minha querida amiga e professora Mel Vieira: “sempre com leveza e suavidade.

Pra começar as mudanças e não deixar as listinhas de lado (isso não quero mudar não), tentei fazer desse carnaval um feriado mais especial pra mim mesma.

1. fucei o baú e reencontrei e reeditei imagens já esquecidas.
(algumas entrarão aqui em breve)

2. aparei as madeixas bem curtinhas

eu, eu and eu

3. bordei um novo quadrinho pra porta do meu quarto. Assim não esqueço as necessidades básicas da vida.

nada de viver sem poesia

4. encarei a câmera digital e fotografei meus sobrinhos lindos

Lorenzo, bonachão

Nicoleta, uma sapeca

5. andei de bicicleta debaixo de chuva com meu amor, como há muito tempo não fazia.

garoa que lava a alma

Bom começo, não?

Etiquetado , , , , ,

infância

nos anos 80

fotografia de brinquedo

bonecos zapatistas

bikes

 

ciclovia no feriado

No último feriado, dia 21 de abril, acompanhei a Escola da Granja Viana num passeio na ciclovia da Marginal Pinheiros. Foi muito bacana, rendeu algumas boas fotos (que começo a postar aqui hoje) e até uma entrada no programa Radar SP, da Globo.

Vamos às fotos:

clicando

ciclovia + fios = foto de pri

sujeira no rio?

a ponte I

a ponte II

a ponte III

será um avião?

hora de ir

congestionamento na ciclovia

congestionamento na saída da ciclovia pinheiros

No primeiro domingão de sol de março, fomos conhecer a mais nova ciclovia da cidade: a da marginal pinheiros. O primeiro trecho foi inaugurado e liga a estação Vila Olímpia da CPTM até perto da represa Billings, num trajeto de cerca de 14km.

Até achei bacana a iniciativa, visto que

– praticamente não temos nenhuma outra ciclovia em SP,

– estamos sedentos por nos locomover de forma segura na cidade.

– o trajeto parece bem realizado, pavimentando, com uma largura adequada, etc etc

ciclovia - marginal pinheiros

mas é impressionante como trata-se de mais uma obra eleitoreira barata. Confesso! Estou furiosa! E lá vou eu listar os motivos:

1. o acesso à ciclovia pela Estação Vila Olímpia só pode ser feito por uma escada, uma passarela e outra escada. Pergunto eu: se esta passagem só leva a ciclovia e não há mais nada entre o rio e a linha de trem a não ser a ciclovia, porque não foi construída uma rampa? Afinal, carregar uma bicicleta durante três lances de escadas, mesmo havendo as canaletas é, no mínimo, muiro burro!

2. a ciclovia tem 14 km e somente dois acessos. Porque não fizeram todos os demais acessos antes de inagurá-la?

3. estamos tão carentes de uma ciclovia que esta estava lotada no domingo de manhã. Com direito a congestionamento.

4. passear ao lado de um rio e vendo a cidade nos parece algo muito agradável, mas este sentimento não se aplica neste caso. O cheiro do rio pinheiro é insuportável o que me deixou com uma dor de cabeça terrível. Sugestão: vá de máscara!

Acredito que temos sim que nos apropriar desta ciclovia, andar, pedalar e divulgá-la… Mesmo cheia de problemas, más soluções e sendo uma obra eleitoreira. O que não devemos deixar de fazer é levantar estas questões, expô-las e discutí-las sempre.

quem sabe assim teremos ciclovias decentes por boa parte da cidade.

gostinho de quero mais

São onze e quarenta da noite de domingo. O sono me persegue há quase uma hora, mas vaculhando as imagens no computador não resisti a vontade de postar as fotos de Minas.

Viagem deliciosa de sete de setembro que me deixou com gosto de quero mais.

Bichinho de bike.

Bichinho de bike.

estrada em Bichinho

trilha em Bichinho

seu mascaro (rs) e euzinha

seu mascaro (rs) e euzinha

serra cujo nome não me lembro (rs) - também em Bichinho

serra cujo nome não me lembro (help me!) - também em Bichinho

ainda obcecada por fios
ainda obcecada por fios
flores no telhado - Tiradentes

flores no telhado - Tiradentes

emoldurando Mariana

emoldurando Mariana